08/03/2009

Mulher moderna... EU?

| |

8 de março de 2009, Dia Internacional da Mulher.

São 8h, o despertador do celular toca, e eu nem tenho forças pra atirá-lo na parede. É domingo, mas estou ainda tão cansada da semana passada que queria poder ficar mais algum tempo na cama. Já começo a lembrar que amanhã terei que acordar às 6h para trabalhar o dia todo, sem pausa nem para o almoço, resolvendo o problema dos outros.

Queria ficar em casa, cozinhando, lavando passando. Tudo bem, odeio passar roupas. Mas pior é ter que ouvir tanta bobagem no meu ambiente de trabalho e ter que fingir conformidade com aquilo tudo. Queria ouvir música e cantarolar enquanto vou colocando a casa em ordem.

Se eu tivesse filhos, iria acordá-los com um café-da-manhã saboroso e brincar a manhã toda. Se tivesse cachorro, levaria ele para um passeio na vizinhança. Depois, colocaria ele no canil. Cachorro dentro de casa, nem pra uma Amélia. Daria comida para os peixinhos, faria um belo alongamento, e quem sabe um brigadeiro para a sobremesa. Claro, tudo dentro da minha cota diária de calorias. Acessaria a internet, leria meus e-mails, atualizaria meu blog e acompanharia calmamente os demais...

Faria tudo, menos sair da cama, pôr o cérebro para funcionar no tranco, pegar aquele ônibus pé-no-saco e sair bem doida para uma escola lá do outro lado da cidade.

Juro que queria saber quem foi a traíra das feministas que teve a idéia "genial" (não!) de reivindicar direitos à mulher, e porque ela fez isto comigo que nasci depois dela, e não tive sequer o direito de protestar! Direitos, tudo bem. Havia muita coisa a ser mudada. Mas os direitos que recebemos não foram exatamente comemoráveis. Direito de trabalhar como um homem e receber como uma mulher. E de continuar com meus afazeres de mulher, além destes útlimos. Direito de ter filhos e não poder cuidar deles, pois tenho que trabalhar. E os problemas de violência contra a mulher, etc, estes prosseguem os mesmos, e não adianta se lludir. Mas não é problema só contra a mulher. É contra as crianças, os idosos, etc, etc... Esse mundo não tem mais jeito não.

Estava indo tudo tão bem nos tempos da vovó! A vida era um grande e delicioso curso prático de culinária, medicina alternativa, boas maneiras, artesanato e cuidados com a casa. Que vida boa!

Aí me aparece essa dita-cuja (que nem faço idéia de quem seja) que não gostava de soutien, nem de espartilho, e põe na cabeça fraca de algumas outras mulheres que "precisamos conquistar nosso espaço". Queria saber a que budega de espaço ela se referia... Ela já tinha a casa, o bairro, a vizinhança, a cidade, o mundo aos seus pés! Os homens dependiam de nós para comer, vestir, ter filhos, se exibir para os amigos... que raio de direito ela queria?

Agora está aí o favor que ela nos fez: os homens estão em plena crise de identidade, sem saber que papel cabe a eles e fogem de nós como o diabo foge da cruz! Belo favor ela nos fez. Essa brincadeira imbecil de queimar soutiens em praça pública nos arrumou foi um catatau de afazeres extra. Sim, porque ela nos arrumou empregos que eram dos homens, mas os mesmos afazeres da vovó continuam sendo nossos. Sem contar que a maioria de nós ainda vai ficar solteira até o túmulo. Antigamente os casamentos duravam para sempre, e jornada tripla era coisa de jogo de vôlei, e a maioria nem sabia o que era. Nós só precisávamos ser frágeis, misericórdia!!!! Aí me vêm essazinha e se atraca a nos fazer competir com o macharedo. Olha o tamanho deles, e olha o nosso. Só podia dar merda.

E agora quem paga sou eu. Tenho que acordar cedo e passar 300 cremes na cara e no corpo para parecer mais aceitável, já que, de tanto trabalhar, as rugas aparecem às dúzias a cada segundo que passa. Só não passo horas na escova e chapinha porque meu cabelo é liso. Pobres das que querem cabelo liso e não têm... E lá vou eu me atracar na maquiagem, escolher uma roupa toda chiquetosa para parecer "respeitável" (enquanto umazinha nada respeitável se veste para roubar meu noivo, já que mal tenho tempo para ele, e ela pode dar mais que tempo), uso sapatos que me fazem ver estrelas na maior parte do dia, e ainda tem os acessórios! Valha-me! E tenho que ver que perfume combina com o meu humor (e tenho que fingir que o humor NÃO é de cão). Já estou de saco cheio de ter que sair correndo, pegar um ônibus cheio de gente fedida porque trabalho como uma mula, mas meu salário não dá pra comprar nem uma droga de moto. Aí corro o risco de ser assaltada, estuprada, morrer atropelada. Passo o dia numa sala de aula ensinando muitas crianças, e à tarde tento resolver os problemas delas e do mundo na minha salinha cheia de relatórios para preencher.

E ainda sou fiscalizada dia e noite por outras mulheres, então tenho que estar sempre em forma, sem estrias, depilada, sorridente, cheirosa, com as unhas impecavelmente feitas, com o currículo maravilhoso, cheio de mestrados, doutorados, especializações e tudo o mais que inventarem. E que, ao lerem este post se indignarão em nome das queimadoras de soutiens. Porque eu sou uma maluca que está pondo abaixo um monte de conquistas. Os ônus e os bônus destes direitos não estão valendo muito a pena.

Me transformei numa Super-Mulher, mas ainda ganho menos do que os homens. Juro que eu preferia continuar fazendo tricô na cadeira de balanço. Ah, por favor!!! Quero alguém que pague as minhas contas, abra a porta para eu passar, puxe a cadeira para eu sentar (sabe né, agora mulheres modernas fazem isso sozinhas), me mande flores com poesia, faça serenatas na minha janela (acho que até isso o feminismo excessivo aboliu), e que chegue do trabalho, tome um banho, ponha os pés em cima do sofá e me conte sobre seu dia, enquanto tomamos um suco juntos. Descobri que nasci para servir.

Alguém acha que é ironia? MAI NUM É MERMO! Abdico do meu posto de mulher moderna, para virar Amélia. Alguém aí se habilita?


_________________________________________________________

Essa é uma releitura de um texto que circula pela internet denominado "Revolta da mulher moderna", adaptado para MEU estilo de vida, mas que expressa em gênero, número e grau a minha opinião pessoal e intransferível, ahahahahaha...

Beijos pessoal, uma ótima semana para todos! E mais uma vez, FELIZ DIA DAS MULHERES!!!

FUIZ...
Comentário(s)
Comentário(s)