10/05/2009

Minha História de Amor

| |
Bom, hoje é dia de postar um selinho muito bacana que vem junto com uma brincadeirinha, que ganhei da. O selinho não poderia vir numa hora mais oportuna, ja que hoje, dia 10/05/2009 o Kinho e eu completamos 6 anos juntos. VIVAAA, hehehehe... Então, esse selinho pede que eu conte a NOSSA história.
Antes de mais nada, toda história de amor tem que ter uma trilha sonora, não é verdade? Então lá vai a nossa (só clicar no play):




Na verdade toda essa história começou há muito mais de 6 anos. Nós frequentávamos os mesmos acampamentos e tínhamos muitos amigos em comum. Inclusive, uma das minhas amigas da época, tinha um rolo. Ele, como bom cachorro (rs) que era naquela época, só enrolava a menina. E por esse motivo, eu simplesmente DETESTAVA ele. Porque eu adorava aquela guria, e ele sacaneava. Dava corda, mas não tomava atitude. Mas ele era um piá de bosta que tinha lá seus 17, 18 anos. E eu me recusei a ser apresentada a ele várias vezes, então nós só nos conhecíamos de vista, nunca conversamos.

Vários anos depois, mais precisamente 5, em que praticamente não o vi, ele foi a um acampamento em que eu não fui e acabou conhecendo algumas primas minhas. Ele e alguns amigos ligavam para uma delas direto, porque um amigo dele estava a fim dela, e ele ficava dando uma de cupido. Em uma dessas ligações, ele ouviu minha voz ao fundo e pediu para a minha prima passar o telefone para mim. Conversamos um pouco, e ele pediu meu número. Dei o número pra ele e começamos a conversar mais seguidamente. Eu continuava não gostando muito dele, mas já não tinha toda aquela implicância. No final das contas fui vendo que ele era legal, e tinha uma conversa mole danada, rs... Continuamos nos falando por telefone e pelo chat do Terra e MSN de vez em quando. Passou-se um tempo e, no início de maio de 2003, surgiu uma oportunidade de nos vermos em uma cidade vizinha, num treinamento em comum que teríamos lá. Marcamos de nos vermos lá, e eu fui. Ele também, lógico, rs... Cheguei e não vi ele, que estava logo na porta de entrada do evento. Ele me cutucou no ombro e então o cumprimentei.

Foi engraçado porque eu sabia quem ele era, que era o tal que teve rolo com a minha amiga, mas quando vi na minha frente, me deu uma raiva, hahahaha... Mas já tinha ido ali, azar. Sentamos juntos e conversamos o curso inteiro, nem prestei atenção em nada, hahahaha... Poxa, aquele cara que eu tinha evitado conhecer por anos era realmente legal. Divertido, bom papo, parecia totalmente avesso àquilo que eu "sabia" dele.

Ele me convidou para almoçar, e fomos a um restaurante bem bacana. Ali já comecei pagando mico: fui conversando com ele e me servindo sem prestar atenção. Ao final do buffet, eu tinha um prato IMENSO na minha frente, hahahaha... Horrível, e ele olhou com uma cara meio assustada, mas depois disfarçou, rs... Hoje ele me diz que, naquele dia, pensou: "Nossa, como essa garota come!". Mas eu não consegui comer nem 1/3 do prato na verdade, rs...

Depois fomos para uma praça, sentar e conversar enquanto aguardávamos o horário de início da parte da tarde do curso. E ali conversa vai, conversa vem... o danado foi chegando pertinho, foi chegando e eu não consegui resistir. Que beijo bem bom, rs... Saímos dali e ficamos juntos o resto da tarde.

Ao voltar para casa, eu ainda tinha aquela imagem de mulherengo dele na cabeça. Me tranquilizei pensando que seria só daquela vez, que ele e eu não tínhamos futuro nenhum. E até pensei em dar "trela" pra ele só pra sacanear, rs... Daquela cidade, fui para a cidade onde meus pais estavam morando (hoje eles moram aqui comigo, ou melhor, eu com eles, rs... mas naquela época haviam ido para uma cidade vizinha), lugarzinho onde nem sinal digital de celular pegava. Mensagem não recebia nem a pau, e sinal pegava em um ou outro canto e, se se mexesse, caía, rs... No final da noite eu saí com uns amigos, e estava meio confusa com o fato de ter ficado com ele... Tomei "uns vinhos", fiquei meio alegrinha (acho que foi a única vez que bebi, época danada aquela, aff, rs), e ele me ligou. E eu só dava risada, rs... Ele falou umas coisas das quais eu não me lembro, acho que devido ao alto teor alcoólico no sangue, rs...

No outro dia, não me ligou e, na segunda-feira pela manhã, voltei para cá. Vim a viagem toda pensando no "fato ocorrido" e novamente insistindo que não ia dar certo nunca, e que ele ligou só por obrigação, que nem ia ligar mais, azar... Quando estava chegando na cidade, e voltou a pegar sinal do celular, começaram a cair mensagens direto, até fiquei com vergonha, porque era BIP-BIP pra cá, BIP-BIP pra lá, e todo mundo ficou olhando, rs... Ainda me lembro das mensagens, mas as que mais gostei foram duas, uma por ser engraçada e outra por ter me deixado muito feliz:

"SALVEM A PROFESSORINHAAAAA!!!"
"VOCÊ É MINHA! MINHA! MINHA! MINHA! MINHA! MINHA! MINHA!"

Achei meio doido, mas gostei né? Bom, nos falamos à noite pelo telefone e pela internet, mas agora a conversa já tinha ido pra outro rumo. Na quarta-feira, dia 09 de maio de 2003, ele me pediu em namoro pelo chat do Terra. Eu fiquei com medo, afinal de contas tinha aquele fato de ele ser galinha, e eu não queria me machucar em uma relação dessas. Ainda mais que ele morava em outra cidade! Pedi para pensar. Passei a noite quase em claro e a parte em que dormi, passei sonhando com isso tudo, rs... No outro dia passei super aérea no trabalho. Então, à noite pensei: "Dane-se, se não der certo, não dá e pronto." Enviei uma mensagem de texto escrito simplesmente: SIM.

Na mesma hora ele me ligou e a piazada estava em volta dele gritando, comemorando, hahahaha... Nem eu sabia que o caso tinha tido tanta repercussão, rs...

Então, começamos a namorar. Me surpreendi por ele ser uma pessoa totalmente diferente do que eu "sabia" dele, muito carinhoso. No começo nem eu, nem ele achávamos que ia dar certo, pelo fato de morarmos em cidades diferentes. Mas foi indo...

Nessa época ele trabalhava numa agência de publicidade, fazia comerciais para a televisão aberta, e filmagens, entre outras coisas. Mas gostava mesmo de pintar.

Quando completamos um ano de namoro, exatamente, terminamos. Ele me disse dos seus planos de ir estudar Pintura em Minas Gerais. Aí eu achei que não ia dar certo, era muita distância. Terminamos e eu fiquei malzona. Ali vi que gostava demais dele. E ele sentiu o mesmo. Em uma semana, reatamos e desde lá, nunca mais nos separamos.

Ajudei ele a se organizar e estudar para o vestibular de Pintura. Ele tentou em Porto Alegre e não deu certo. Passou justo no vestibular mais difícil, que achávamos que não ia conseguir: a prova descritiva da Escola de Belas Artes da UFRJ. Quando ele foi, foi muito difícil, eu sofri pra caramba, ele demorou a se adaptar, até pensou em desistir, mas eu não deixei. Era o sonho dele. É o sonho dele. Mas, apesar da distância (nos vemos, em média, a cada 4 meses, e isso já faz 4 anos), nosso namoro continua firme. E, no final do ano retrasado, mais precisamente no dia 31 de dezembro, noivamos. E esse ano, no dia 20 de dezembro, vamos nos casar. Enfim, juntos de verdade!

Eu comemoro demais, foi tudo tão difícil pra gente, ainda está sendo! A distância, a saudade, e muitas outras coisas. Mas valeu a pena, está valendo a pena, e vai valer ainda mais. Ele sempre me respeitou demais, me trata como uma princesa e aguentou meus 20Kgs a mais! Por 6 anos, hoje.

Ele é bem doido, aventureiro, sonhador. Adoro! Foi ele quem me ensinou a sonhar. Mas às vezes sou eu quem dá uma puxadinha nele pro chão, rs...

E, conversando, chegamos à conclusão de que nos conhecemos no melhor momento. Ele confirmou que, na idade em que teve o rolo com minha amiga, realmente era um baita sacana. Mas que, na época em que começamos a namorar, ele havia começado a trabalhar e se tornado um cara mais responsável. Se a gente tivesse se conhecido antes, com certeza não teria dado certo.

Olha a gente aí:





E agora, pra quem eu repasso esse selinho ?

Ah, sou curiosa para saber a história da Gordinha da Silva e da Teca! Vamos lá gurias?

Beijo gente!

FUIZ...
Comentário(s)
Comentário(s)