17/02/2011

A utopia vista na televisão - Câncer de Mama

| |
Foto: Estafermo

Quem já ouviu o monte de campanhas feitas pelo câncer de mama ou câncer de colo uterino já sabe de tudo o que se passa no país. O câncer é uma doença silenciosa que vem atacando a cada dia mais pessoas. E atire a primeira pedra quem não tem sequer um parente/conhecido que não tenha ido a óbito graças ao câncer. Triste realidade.

Mas agora não é a hora em que eu vou falar tudo aquilo que vocês estão cansadas de ouvir. Vou falar do que EU estou passando graças a isso. Não, eu não estou doente. Minha sogra está em processo de dignóstico de um possível câncer de mama, e duas de suas irmãs já perderam um seio graças à ele.

Ambas a irmãs dela descobriram o câncer já em estado avançado e perderam suas mamas. Uma delas, que conheço mais, está em pleno tratamento, entre quimioterapias e outros tratamentos para tentar redimir a doença. E aí começou a saga. A consulta inicial, a descoberta do caroço, o encaminhamento ao CACON (Centro de Alta Complexidade em Oncologia) de Ijuí/RS. A equipe do CACON está de parabéns, ultimamente tenho sido presença constante por lá e vejo como o trabalho progride rapidamente, sem morosidades desnecessárias. Bom, QUASE sem. Do diagnóstico à indicação para a cirurgia tudo foi rápido. Mas, ainda que sendo um câncer bastante agressivo e avançado, a tia do meu marido deveria entrar numa fila de espera que previa a crurgia para dali a 3, 4 meses. Para câncer, todos sabem, 4 meses podem ser a janela para a vida. Ou para a morte. Ou, logicamente, ela disporia de R$6.000,00 reais para a cirurgia e outros $$ para UTI, internação, etc. Ou seja: faz-se campanhas mil, mas na hora do "vamos ver" ainda há muito o que se fazer. Quando se depende do SUS, é um Deus-nos-acuda danado e salva-se primeiro quem tem dinheiro na mão.

Sei que há males que vêm para o bem, e disso não tenho dúvidas. Graças a essa situação com suas irmãs, minha sogra enfim decidiu fazer uma consulta. E é aí que começam algumas dicas gente.

- No auto-exame ela não sentiu NADA. Portanto, apenas o auto-exame das mamas não é o suficiente para um disgnóstico.
- Na mamografia não apareceu NADA. Faça sempre a mamografia e, caso tenha casos de câncer na família, vá além.
- O caroço só pôde ser visto na Ecografia. Eis uma maneira um pouco mais segura de se ter certeza de algum diagnóstico. A mamografia não visualiza bem caroços em mamas densas (palavras da oncologista), por isso a necessidade de uma ecografia.

Então, descuidar da saúde é um luxo ao qual não podemos nos dar. Quais as principais causas de câncer? Fatores externos somam 80 a 90% das causas de câncer: fumo, álcool, drogas, exposição a agentes químicos, stress, alimentação inadequada, etc. Os agentes internos, ou seja, genéticos, são responsáveis por apenas 10 a 20% dos casos. Ou seja: antes de pôr a culpa nos casos de câncer de sua família, e dizer que não há o que fazer, dê uma espiada no seu estilo de vida, seu prato, seus hábitos.

Já ouvi pessoa dizerem: "Meu pai fumou a vida toda e não morreu de câncer". "Meu tio era um bêbado inveterado e nunca teve nada." Opiniões, me perdoem o termo, TOTALMENTE IMBECIS, IDIOTAS E INFUNDADAS. Desculpites de quem prefere fazer o que der na telha a cuidar de sua saúde.

Como diminuir suas chances de ter um câncer (e a de seus filhos também):
  • Ingerir água filtrada ou fervida em boa quantidade
  • Inserir frutas, verduras e legumes em boa quantidade no seu cardápio
  • Diminuir o consumo de carnes, enlatados e embutidos (carnes podem ser substituídas muito bem por outras proteínas, como ovos, leite, queijo, soja, castanhas, podendo diminuir sua quantidade na alimentação diária)
  • Manter um peso saudável
  • Diminuir gorduras, frituras e doces
  • Fazer atividade física
  • Ter momentos diários de lazer, a fim de diminuir o stress
São coisas simples, mas que muitos de nós deixam de fazer por preguiça. Porque, falta de tempo atrapalha, mas não impede.

Andando pela internet encontrei o blog VidAnormal que contém o depoimento da Carolina, mãe da Ana Luiza, uma garotinha linda de 7 anos, que, após anos sem ter sequer uma gripe ou febre, foi diagnosticada com um agressivo tipo de câncer cerebral, o rabdomiossarcoma (que tem incidência de cura de apenas 20%), com metástases nos pulmões, perna, medula e em algumas vértebras. A pequenina ainda está em tratamento, conseguiu vencer as metástases e, no mês passado se submeteu à cirurgia para retirada do tumor, com sucesso. Que tal dar uma passadinha lá para espiar esta história emocionante e, de quebra, dar alguma forcinha?


Mais informações sobre o câncer, como tipos, estatísticas, etc, espiem o site do INCA (Instituto Nacional de Câncer) - http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home


Beijos.

Comentário(s)
Comentário(s)