20/09/2011

20 de setembro - Revolução Farroupilha

| |
Imagem: arquivo pessoal.

20 de setembro é um dia todo especial aqui no Rio Grande do Sul. Todos os anos faço posts sobre isso, e todos os anos farei, dada a importância do dia para nós. Essa comemoração mexe negativamente com algumas pessoas, principalmente na internet, porque comemoramos tanto que muitas vezes isso causa irritação. Eu particularmente acho tão natural amar o lugar onde vivemos que não entendo como a maioria não faz isso. 

Todos sabemos o Hino Riograndense, ele é executado inclusive nos jogos de futebol que ocorrem no estado (comentando porque li uma pessoa no Twitter dizendo que acha isso ridículo, enfim), e inclusive em uma crônica o Arnaldo Jabor se diz impressionado por ver que TODOS sabiam a letra do hino em uma convenção em Porto Alegre. Enfim, temos nosso orgulho sim, adoro morar aqui, assim como acho que todas as pessoas do resto do país adoram morar onde moram. Apenas parece que comemoramos um pouco mais. 

Muitos questionam porque comemoramos a Revolução Farroupilha se, na verdade, houve um "empate técnico", onde negociamos a cessação da guerra em troca de rendições e de abonos a castigos e punições. Comemoramos o fato de termos tido peito de lutar contra um país inteiro por algo que acreditamos (a guerra começou porque comercializávamos charque e a "Federação" passou a cobrar impostos abusivos, e não conseguíamos fazer concorrência com o charque argentino, perdendo mercado). E olha, sendo um estado, "empatar" com um país todos tá loco de bom né,rs. Claro que guerra é guerra, sempre achei que guerra fosse desnecessária, mas entendo que antigamente era um do poucos recursos que realmente funcionavam. Enfim, o seriado "A casa das 7 mulheres" e o livro homônimo, que deu origem à série, contam essa história de uma maneira bem bacana.

Sei que hoje é dia de comemoração, é dia de Desfile Farroupilha (que eu perdi por subestimar a gauchada achando que não iriam desfilar com chuva, mas teve um baita de um desfile, isso sim), de churrasco, de mateada, roda de chimarrão e muita música gaúcha. 

Não sou a favor do separatismo (apesar de brincar muito com isso), porque nossa história vai contra isso, uma vez que literalmente LUTAMOS para fazer parte do Brasil (queriam anexar o RS à Argentina, e nós gaúchos lutamos para ser anexados ao Brasil), portanto não somos melhores que ninguém. Mas sim, temos nossas características próprias, que me enchem de orgulho, nossos valores, nossa dança (extremamente respeitosa), nossos costumes, nossa cultura, e tudo isso nos dá uma característica muito peculiar. Não melhor, nem pior, apenas peculiar, própria, muito nossa. E amo isso, muito mesmo.

Não tenho preconceito (ou como queiram chamar isso) contra nenhum outro estado, mas do meu estado, se alguém fala mal, sou eu, confesso que me irrito com quem fala mal sem ser daqui, sem conhecer de verdade.   Acho que cada estado tem seus costumes, assim como eu posso ir, por exemplo, para o RJ e não me adaptar, não gostar, muitos podem vir para cá e pensar o mesmo. É questão de hábito, de costume.

Hoje é um dia muito feliz para nós, mas acho que vou ficar um pouco longe do Twitter porque as manifestações contrárias desrespeitosas me deixam um pouco irritada, e eu não quero esse clima pra mim. :)

Só para compartilhar um pouquinho mais, abaixo vão algumas expressões do nosso cotidiano, para quem conhece algum gaúcho, mas fica em dúvida sobre algo que ouve:

  • Azucrinar - incomodar.
  • Bóia - comida.
  • Bolicho - mercadinho de bairro, sem muita variedade.
  • Bruaca - mulher feia.
  • Buenacha - boa.
  • Cacetinho - pão francês.
  • Cagaço - susto.
  • Chimia - do alemão "schmier", geléia de frutas.
  • Cuca - algo que fica entre um pão e um bolo, recheado com os mais diversos sabores, oriundo da culinária típica alemã.
  • Cuiudo - sujeito valente (vem de "colhudo", cavalo não castrado).
  • Cupincha - companheiro.
  • Cusco - cachorro vira-latas.
  • Entrevero - confusão.
  • Faceiro - feliz.
  • Fatiota - terno.
  • Guaipeca - vira-latas.
  • Guisado - carne moída.
  • Jururu - tristonho.
  • Lançante - descida.
  • Macanudo - bonito, legal.
  • Maleva - bandido.
  • Maricas - efeminado.
  • Mu-mu - doce de leite (expressão generalizada por conta de uns das primeiras marcas de doce de leite comercializadas, a Mu-Mu).
  • Oigalê! - Expressão de espanto, admiração, alegria.
  • Peleia - briga.
  • Piá - guri, menino.
  • Qüera - valente.
  • Renguear - mancar.
  • Sanga - riacho.
  • Soga - corda.
  • Talho - ferimento.
  • Trova - conversa.
  • Vareio - surra.
  • Vivente - pessoa.
  • Zunir - sair apressado.


Usei apenas expressões cotidianas, que falamos mesmo no dia a dia, há algumas que nem usamos muito, então deixei de fora muitas. Eu acharia bacana que pessoas de outros estados compartilhassem as expressões cotidianas dos seus estados, acho tão legal, e alguém fizer um post sobre, me avisem que eu corro ler, sou curiosa e gosto disso. :)

Enfim, um beijo para todos e VIVA MEU RIO GRANDE!

P.S.: deixando claro que sim, há muitos gaúchos bobos que acabam provocando a ira dos outros com comentários separatistas ou ponto o RS como melhor que os demais (alguns por brincadeira mesmo, outros pra provocar que a gente sabe), assim como há os bobos que aproveitam para generalizar e xingar o ofender os demais gaúchos que não tem nada a ver com isso. Enfim, idiotas de todos os lados, o negócio é tentar ficar à margem disso. Mas olha, NÃO TÁ FÁCIL, rs. 

Obs.: farei moderação de comentários neste post, pois no do ano passado tive que ler coisas ofensivas a mim e ao meu estado e não acho necessário que se publique esse tipo de coisa. Esse é um país democrático, onde todos tem o direito de expressar sua opinião, mas também de não aceitar opiniões ofensivas. 


Comentário(s)
Comentário(s)