05/07/2012

Como estou cuidando de mim mesma

| |
Imagem DAQUI.
Esse ano está sendo um ano especial para mim. Venci alguns desafios complicados, desatei alguns nós da minha vida, e passei a cuidar melhor de mim mesma. 

Passei muito tempo da minha vida deixando de fazer coisas importantes em prol dos outros, perdendo tempo que eu poderia empregar em algo sério tentando resolver problemas que não cabiam  mim resolver. Também me deixei abalar por bobagens, e internalizei muita coisa. Pus pesos que não eram meus nas minhas costas e tentei resolver tudo sozinha. 

O que consegui foram anos e anos de tratamentos médicos com antidepressivos, ansiolíticos e outros remédios para controlar minha ansiedade. Porque, além de ter uma vida para viver, que por si só já é cheia de coisas, ainda precisava servir de apoio para quem poderia se virar sozinho. Não estou assumindo a posição de vítima, porque seja o que for que acontece nas nossas vidas, acontece se permitirmos. E muitas vezes insistimos no que sabemos que não vai dar certo.

Então. Tive que fazer um tratamento longo e penoso, com remédios fortes, que me fizeram engordar, mas que colocaram minha cabeça nos eixos. Mas encarei, sabendo dos riscos. Então, quando me senti pronta, decidi (junto com um médico, logicamente) começar a regredir o tratamento. E está tudo, devagarinho, voltando a ter cor. Eu sempre digo que a vida de quem toma antidepressivos fortes, é como um filme em preto e branco: você aproveita, mas não vê todo o colorido que dá graça a ele. Você não fica triste ou ansioso demais. Mas não fica feliz demais também. É como uma anestesia. E posso dizer que já saí quase que completamente dela.

Por conta de tudo isso, muitas vezes anunciei peso perdido aqui no blog, comemorei, para logo depois ganhar peso novamente. Um passo à frente, dois para trás. Porque eu conseguia dar um passo pra frente, perdia o controle e tudo voltava à estaca zero. É difícil decidir continuar um blog quando você chegou ao peso sonhado e depois alcançou o maior peso de toda a sua existência. Mas eu encarei. Com todos os comentários positivos e negativos. 

Agora, devagarinho, mudei várias coisas, que estão dando resultado:
  • Procuro fazer tudo mais lentamente, e se for preciso, deixo algo para "amanhã". 
  • Dei uma melhorada na casa, mas não fico mais me culpando por não ter conseguido dar aquela geral no roupeiro.
  • Mantenho minha casa limpa, mas se hoje eu não conseguir passar o aspirados, tudo bem, passo amanhã.
  • Passei a dividir mais responsabilidades com meu marido. u tomava muitas coisas pra mim, quando dividindo com ele, tudo se tornou mais leve.
  • Passei a vir à pé para o trabalho, pela manhã. É uma caminhada de 1,950Km, que me faz muito bem. À tardinha, volto à pé também, exceto nos dias de chuva, claro.
  • Estou tomando mais chás. Digestivos, calmantes. 
  • Passei a fazer caldos à noite, ou sopas, mais leves e gostosas.
  • Tenho saído mais nos finais de semana, me enclausurar não ajudou em nada no meu processo de melhora.
  • Diminuí o tempo em frente ao computador, ao menos quando estou em casa, já que no trabalho isso é inevitável.
  • Tenho lido mais.
  • Tenho passado menos tempo deitada.
  • Comprei um bom hidratante, paguei um pouco mais claro, mas eu mereço.
  • Não saio de casa sem rímel e batom.
  • Não me dispus mais a ajudar pessoas com problemas que não me cabiam resolver.
  • Me afastei de pessoas negativas, e que sugavam minha atenção.
São cuidados pequenos, os chamados "baby steps", mas que estão me fazendo bem demais. Tenho estado mais tranquila e a ansiedade está mais controlada. Eu costumava dizer que não era ansiosa, era desesperada. Ainda tem muito disso na minha vida, mas vou conseguindo desacelerar aos poucos. Ainda há mudanças que quero implementar, para melhorar ainda mais:
  • Ficar ainda menos tempo na internet.
  • Usar mais a bicicleta ergométrica.
  • Beber mais água.
  • Investir numa boa base.
  • Cortar o cabelo e voltar a fazer luzes.
  • Administrar melhor meu salário.
  • Comprar menos por impulso.
  • Manter meu quarto mais organizado.
  • Ler mais livros.
Devagar tudo vai entrando os eixos. Já está entrando. E a gente vê quando acertou a mão no momento em que a vida fica mais leve e tranquila.

Com relação à saúde: ontem fui no cardiologista, que me passou uma lista enorme de exames de revisão. Mas tirou um dos remédios que eu estava usando (o bolso agradece), mas aumentou a dosagem de outros (o bolso chora, rs). No entanto me parabenizou pela perda de peso, sensível mas efetiva, e pelos cuidados. Não tive mais arritmias, nem batidas cardíacas doidas. 

Uma coisa que anda me incomodando bastante é uma sensação de "aperto" nas pernas. É como se eu tivesse a "necessidade" de comprimir os músculos delas. Acho que passar o dia todo sentada na frente do computador não ajuda em nada, pelo contrário. Tem dias que só consigo dormir com um relaxante muscular, ou quando meu marido (lindo, lindo) faz massagem nas minhas pernas. Mas nem sempre vou perturbar o coitado, e ele que se oferece, fico sem jeito de pedir massagem, porque eu detesto fazer massagem nos outros, rs. Acho que aquelas meias compressoras poderiam ajudar, me parece algum problema circulatório. Mas meias compressoras, no meu tamanho, acho brabo de encontrar facilmente. Acredito que as caminhadas irão ajudar, mas o problema vem de anos, e quando eu estava magrinha ele também existia, então creio que o fator "X" não é só o peso. Mas claro, ele deve ter "contribuído" bastante pra agravar o problema.

Farei os exames na segunda ou terça-feira, e vamos ver no que dá.

Bah, me perdoem o jornal, fui escrevendo, escrevendo, e acho que me passei nas linhas. parabéns se você aguentou a leitura até aqui, rs...


Bjs.
Comentário(s)
Comentário(s)