04/07/2012

Precisamos de óculos

| |
Imagem DAQUI.

"A solução para os problemas está diante dos olhos, mas para enxergá-la é preciso usar os óculos da sabedoria." (Autor Desconhecido)

Acho que a humanidade precisa urgentemente de óculos. Daqueles "fundo de garrafa" mesmo. E óculos "para perto", como diz minha vó. Porque é fácil demais olhar o outro, jogar palavras ao léu, sem antes olhar para si mesmo. Não quero dizer que críticas não são válidas. Acho que são demais. Um olhar crítico nos permite questionar e repensar o mundo. E, então, tentar mudá-lo, nem que seja de pouquinho em pouquinho, começando por nós mesmos. Sempre começando por nós mesmos. Mas toda crítica, TODA, pode ser feita educadamente, civilizadamente.

Lembram do post sobre a "Blogueira Shame"? Claro que lembram, já passou das 1.500 visualizações. Então. Não é porque não concordo com a atitude dela, que vou dar todo o "mérito" da causa a ela. Deixem-me ser mais clara: ela não fazia todo o "trabalho" sozinha. Muitas, muitas e muitas pessoas enviavam e-mails com os "erros" vistos na "blogosfera". Muita gente se aproveitou desse momento "jogar merda no ventilador" (perdão pela palavra), para cutucar desafetos, enviar e-mails com denúncias nem sempre tão inocentes. Havia ali muita "vingancinha" particular sendo posta em prática, aproveitando-se do anonimato. E agora, muitas dessas mesmas pessoas estão jogando pedras na tal blogueira, como se não soubessem de nada que fizeram. Eu mantenho tudo o que disse: acho que a falta de ética e limite recheavam aquele blog. E a blogueira não foi "usada" não, ela se pôs como um "meio" para que essas revanches fossem postas em prática. Deliberadamente. 

E isso me faz pensar (e recordar) no quanto somos ingênuos em relação às pessoas do nosso convívio. Essas últimas semanas eu tenho sentado no banquinho e observado o desenrolar de muitas briguinhas. Na internet e na vida real. E o que eu vejo? Muito diz-que-me-disse. "O Fulano falou isso de você." - "A Sicrana disse que a Beltrana contou que a "Fulana falou XXX de você.". Ou as pessoas que se deixam levar pelos "diz-que-me-disse" são muito ingênuas (será?) ou são maldosas mesmo. Será que ninguém percebe que, muitas vezes, o portador das "notícias" é exatamente a pessoa que espalha os boatos? Que ele mesmo implantou a "calúnia" ou seja lá como a gente chama essas bobageiras, e então sai culpando X e Y, porque é mais fácil pôr lenha numa fogueira que já está acesa, que assumir o que disse/fez?

Muitas pessoas se aproveitam da fragilidade de relações para jogar ali um veneninho. Principalmente quando credibilidades são ameaçadas, há quem se aproveite e vá à forra. Por isso eu sempre bato na velha tecla: é preciso conhecer os dois lados de uma história, e sabendo que cada lado sempre vai "puxar brasa pro seu assado". É a tendência humana, a de se proteger. Mas é tão humano quanto, a tendência de jogar nossas culpas nos outros. Mas, vejam bem, ser "humano", não significa ser legítimo, bom, algo de que se orgulhar.

É o que acontece nesse bafafá todo da tal blogueira. É o que acontece todos os dias sob nossos olhos. Quem nunca ouviu uma pessoa falar mal de outra, e depois viu a mesma pessoa atribuindo o que disse a outro? Eu já vi. E não adianta a gente vir com o "eu não dou conversa pra quem fala mal dos outros", porque muitas vezes a gente acaba é ficando sem jeito mesmo de dispensar a pessoa, mesmo que não concorde com a conversa.

Alguns também se aproveitam de momentos de fragilidade para atacar desafetos. Como se diz: "as pessoas nunca ficarão tão unidas como quando encontram um desafeto em comum". Então mistura-se a fantasia com a realidade, e a coisa foge do controle. Já vi casos em que a polícia foi acionada de tanto que a "história" cresceu e as máscaras acabaram caindo e a pessoa que fez toda a intriga acabou tendo que desembolsar uma grana preta de indenização.

Também há quem  sempre tenha um alvo. Quando se cansa, escolhe outro. Implicância mesmo, há pessoas maldosas no mundo, temos que admitir que há muito mais do que imaginamos. Outras pessoas, mal resolvida consigo mesmas e com o mundo, despejam sua amargura ao seu redor, e quando alguém se põe contra, acredita em complôs. Mania de perseguição. Amargura demais mata. Mas mata o ser amargurado. Os demais, só afasta. E ainda há os que não entendam que amizades podem ou não ser retribuídas, e que quando somos amigos, e acarinhamos aqueles que se dizem nossos amigos, não estamos fazendo favor algum, mas sim, sendo honestos conosco mesmos e com quem nos acompanha. Quem se vangloria de ser "amigo de verdade", de "ajudar quando mais precisou", na verdade só quer confete. E gente lhe puxando o saco.

Enfim, o que tenho visto (e tenho evitado me envolver, porque quero mais é sossego na minha vida), são batalhas de egos, onde alguns querem provar ser mais inteligentes que outros, ser melhores que os demais, mas tudo isso na base da ignorância, indireta e chacota.

A partir do momento em que você se sente superior aos demais, já está provando que é inferior. Pois quem é superior, não precisa fazer propaganda. Tudo o que é verdadeiro, se sobressai por si mesmo, não necessita de promoção, confete, ou reconhecimento público. Na verdade, os melhores sentimentos são aqueles calmos, silenciosos, ternos e que, em sua tranquilidade, trazem estabilidade para o coração.

Sábios são aqueles que procuram medir suas palavras na maioria das vezes (é impossível nunca se exaltar), e sabem medir o que ouvem e vêem. Analisar mais, observar mais, escutar menos. Porque atos falam mais alto que palavras.

E não existe essa de "quem é bom demais é odiado demais". Quem é odiado demais é porque é sacana mesmo. Desafetos todos temos, mas quando alguém coleciona pessoas que não apenas não lhe querem bem, mas DETESTAM, algo de errado há.

Enfim, esse texto foi apenas uma reflexão sobre o que vejo nos últimos dias. Tenho certeza de que muitos veem da mesma forma. Mas muitos também fecham os olhos, pois a maldade lhes favorece.

A lei do retorno existe e funciona. Que bom, ou que pena? Pense...


Bjs
Comentário(s)
Comentário(s)