19/03/2015

Mente, coração e emagrecimento

| |

Até onde vai a influência dos nossos sentimentos e emoções em nosso corpo? Você já parou pra pensar nisso? Tenho por hábito fazer análises a meu próprio respeito. Acho que isso me ajuda a crescer, a detectar problemas, e isso tem sido a chave que me fez sair dos 119kg - e que me levará até meu peso ideal. Quando eu me negava a enxergar a realidade e a perceber meus próprios erros e sentimentos, não saía do lugar. Quando algumas coisas aconteceram e me fizeram enxergar que algo precisava ser feito, comecei a fazer estas "auto análises". E isso tem me ajudado muito. 

Nosso corpo é regido por um equilíbrio (ou não) de substâncias químicas, hormônios e um emaranhado de células e outros que interagem entre si. Cada coisa que acontece em nosso corpo gera uma reação química interna, que influencia inclusive na maneira como nosso organismo funciona. Então a ciência afirma que sim, nossas emoções influenciam diretamente neste processo. 

Tristeza, ansiedade, nervosismo estão entre os vilões do excesso de peso. A imensa maioria das pessoas que se encontram na faixa da obesidade se encontram nesta situação por utilizarem a comida como compensação por emoções ruins. Quando algo ruim acontece, nosso cérebro ativa o desejo de recompensa para tentar aplacar esta frustração, e não há recompensa mais imediata que a comida. No entanto, nesta situação geralmente fazemos más escolhas alimentares que resultam no ganho de peso. Além de alimentos com muitas calorias vazias, geralmente as quantidades são maiores do que o necessário também. E nesta equação, o resultado reflete-se diretamente na balança. 

Mas como sair deste ciclo? O que fazer para modificar essa situação?

Não é fácil, é um processo lento, contínuo e cheio de recaídas. É como na famosa frase do AA (alcoólicos anônimos): um dia de cada vez. Mas há alguns passos que podem auxiliar nisso. 
  • Busque os motivos de sua insatisfação. Faça uma reflexão profunda sobre o que te deixa infeliz. Você precisa detectar que pontos de sua vida estão te trazendo frustração, tristeza, ansiedade. Neste ponto é preciso ser sincero  e listar tudo. Se achar necessário, ponha no papel. Ou envie um e-mail para você mesma. 
  • Busque soluções para estas situações. Há situações que infelizmente não podemos modificar. Mas há outras que só dependem de nosso desejo e ação para melhorar. Seu emprego está ruim? Comece a pensar em um novo, ou procure se organizar de forma que ele se torne mais prazeroso. Está com problemas em seu casamento/namoro? Veja o que você pode fazer para que sua relação melhore, converse com seu parceiro ou, se achar que não há solução, decida tomar alguma atitude. Assim como você listou os problemas, liste possíveis soluções. 
  • Estabeleça metas. Depois desta análise, o que você pretende fazer? Estabeleça metas realistas, e dê prazos realistas também: não longos demais para que você não os perca de vista, nem curtos demais para não gerar mais ansiedade. 
  • Retome sempre estas listas. Não adianta você traçar metas e fazer listas se não as tiver sempre por perto. É preciso estar em contato sempre com suas pretensões para que elas de fato aconteçam. 
  • Seja firme com você mesmo. Não firme no sentido de uma cobrança exagerada que vá te gerar mais emoções negativas. Mas não deixe de se cobrar resultados. Ser condescendente conosco mesmos não apenas não vai resolver problema algum, como vai te levar novamente ao ponto inicial. 
  • Não tenha pena de si mesmo. Pior que sentimentos de raiva, tristeza, frustração, são os sentimentos que nos levam a ter pena de nós mesmos. Toco muito neste assunto, porque isso fez parte da minha história, me prejudicou demais e vejo muitas pessoas indo pelo mesmo caminho. A auto piedade nos faz permanecer na mesma situação. "Eu vou comer esta barra de chocolate porque tive um dia ruim." Você sente pena de si mesmo pelo dia ruim, e se permite algo que não deveria por conta desta pena. E o ciclo prossegue acontecendo. 
  • Admire-se. Mesmo que você não esteja onde deseja, admire-se por suas conquistas, perceba seus pontos positivos foque neles, pensando em maneiras de melhorar o que não está bom. 
  • "Veja o futuro". Imagine-se no futuro na situação que deseja. Alimente este sonho, pense sobre ele. Você precisa desejar muito para ter o impulso necessário à mudança. Deseje. Queira. 
  • Alimente o que te motiva. Se você assistiu um filme que te fez sentir-se motivada, veja-o mais vezes. Se a trilha sonora o faz lembrar dele, baixe/compre e escute-a sempre. Se músicas te motivam, faça uma lista daquelas que têm esse efeito sobre você e escute-as sempre. 
  • E, por fim, não desista. O caminho é longo e o percurso às vezes pedregoso. Há momentos em que temos recaídas, mas não permita que uma recaída te leve ao ponto de partida novamente. Continue insistindo, não desista de você. 
Agora a pergunta que deixo é: o que te motiva? O que te atrapalha? O que te incomoda? Qual teu objetivo? Vamos conversar!

Beijo!


Se você curte o blog, pode me acompanhar nas redes sociais:


Comentário(s)
Comentário(s)