15/03/2015

Momentos delicados...

| |
Bom, este post nem tem imagem bonitinha porque não achei nada que coubesse neste assunto. Há dias penso se escrevo sobre ou não, e enfim decidi escrever. Bom, o resumo da ópera é: minha mãe está com câncer. 

Essa doença maldita que eu fujo como o diabo da cruz, e por conta dela que tenho cuidado tanto da minha saúde e apelados para os que amo fazerem o mesmo. É daquelas coisas que a gente sempre pensa que vai acontecer com o outro - e ainda assim já parece horrível. Claro que já passei por isso com minha sogra e já foi doloroso. Mas com a mãe consegue ser mil vezes pior. 

Lá por novembro vi minha mãe e estava tudo ok. Em dezembro, nas festas de final de ano já vi uma espécie de verruga estranha no nariz, que cresceu muito rápido. Em janeiro ela a retirou cirurgicamente e foi enviada para análise. Disgnóstico: melanoma. Melanoma é o famoso câncer de pele. Mas no caso é o tipo mais agressivo, que produz metástase muito rapidamente (metástase - espalhar-se para outros órgãos, mesmo que distantes do ponto original). Acontece que tudo demora demais: as consultas, os exames. Já estamos em março e só agora ela vai a uma consulta em Porto Alegre. 

A indicação até agora é de cirurgia para retirada total do tumor - como a dermatologista acreditava ser apenas uma verruga "viral", não tirou tudo para não deformar o nariz. Aí entram mais problemas com nossa linda saúde: a cirurgia que seria o ideal que ela fizesse para perder o mínimo possível do nariz só se faz em Porto Alegre e nem o SUS, nem o Plano de Saúde (pra quê pagar uma fortuna nessa merda mesmo né? - perdoem o palavreado) cobrem. Meus pais são funcionários públicos, merendeira e secretário de escola (os nomes agora são mais "bonitinhos", mas quero facilitar o entendimento). Será uma luta conseguir essa grana, mas ok, vamos dar um jeito.  

Muitos dizem que o câncer de pele é de cura fácil. No geral é, até onde um câncer pode ter cura fácil. Mas o caso dela é o pior de todos. Ela está com muito medo, principalmente porque isso envolve a retirada de parte do nariz, não se sabe quanto e, bem vocês já devem imaginar como isso afeta a auto estima de uma mulher. 

Todos estamos com medo, mas procuramos ser fortes para dar força a ela. Ninguém é capaz de entender o lado de quem é acometido por essa doença maldita. A gente tenta, dá a mão, dá forças, mas é o que dá pra fazer. E ela está com medo. Em uns dias bem, e outros devastada. Mas seguindo. 

Então na semana passada os posts saíram meio pingados, é difícil produzir com tudo isso acontecendo. Mas não tenho a intenção de deixar a peteca cair aqui, pois o blog me faz bem, me ajuda, é algo que me faz desopilar. Mesmo que não em posts-desabafo, mas pelo simples fato de produzir, escrever, pesquisar, me ocupar. Posso eventualmente ficar sem postar, não sei como as coisas correrão e quero estar presente com ela o maior tempo possível.

Nesse aspecto a caminhada tem sido minha amiga fiel. tenho caminhado muito., Quando recebi o disgnóstico de infertilidade no ano passado isso me salvou. Agora está salvando novamente. Ontem só não caminhei porque a gripe me venceu. Mas hoje (domingo) já caminhei de manhã e, ao finalizar este post irei para mais uma caminhada. Eu preciso disso, meu corpo e cabeça pedem, não entendo muito bem, mas obedeço. E está refletindo na balança, logicamente. 

Enfim, se você puder dedicar um minutinho do seu tempo para orar pela minha mãe, serei imensamente grata. Minha fé às vezes fraqueja, mas vejo apenas em Deus o apoio para estes momentos angustiantes. Só ficarei em paz quando isso tudo tiver acabado. Acredito muito na oração intercessora. Enfim, o peito parece que vai explodir em certos momentos, então este post finda por aqui, com meu muito obrigado a cada um que acolher meu pedido em seu coração.


Beijo!
Comentário(s)
Comentário(s)