20/04/2016

Como comer alimentos saudáveis sem torcer o nariz

| |



FreeImages.com/ Bob Smith

Hoje em dia muito se fala em alimentação saudável. Revistas, jornais, mídia televisiva, conversas informais, o assunto é bastante frequente. Também pudera, vamos combinar, nunca estivemos tão doentes! Vez ou outra ressurgem doenças que deviam sido controladas, e chegam com força total. A dengue, zika, chikungunha, H1N1 e outros vírus têm se alastrado com uma rapidez incrível, e têm tido consequências assoladoras. Sem contar as super bactérias que frequentemente aparecem e matam pessoas sem que se possa fazer muito. Nossa imunidade nunca esteve tão baixa. Mas como levar uma vida saudável, alimentar-se bem, se a alimentação mais saudável parece tão insossa?



Eu não consigo deixar de pensar que nosso estilo de vida têm contribuído grandemente para isso. A questão não é comer "porcarias" de vez em quando. Não dá para ser xiita e excluir tudo da alimentação para sempre - não sou a favor desse discurso. A questão é o volume que estes alimentos ocupam em nossa alimentação. Como trabalhadora de uma escola, vejo crianças chegando pela manhã com garrafas de refrigerantes já pela metade. Mascam chicletes e balas o tempo todo. No recreio os salgadinhos e refrigerantes tomam conta. E torcem o nariz para saladas e até mesmo frutas, que são mais doces e normal. 

Nós mesmos, adultos que somos, preferimos comida super temperada, repleta de sal, açúcar, farinhas, corantes, conservantes e aromatizantes que enchem tudo de sabor. Frente a isso, um prato de salada tem gosto de NADA. Estamos acostumados a tanto sabor que quando há algo com menos temperos e sem tantos aditivos parecem ser totalmente sem sabor. E aqui entra a questão principal do post: como sentir sabor e prazer na alimentação comendo salada?

Eu já postei diversas receitas aqui, versões mais "magras" de doces tradicionais, e enquanto muitos gostavam, alguns faziam as receitas e depois reclamavam porque o sabor não era igual aos pratos tradicionais. Já li comentários indignados pelo fato de um doce de leite feito com leite em pó, leite desnatado e adoçante não ter o mesmo sabor de um feito com leite, açúcar e glucose de milho. Aí entra o primeiro ponto:



Pratos feitos com ingredientes 
diferentes têm sabores 
diferentes. CLARO, ÓBVIO.



Esse é o primeiro ponto. Mesmo numa receita "gordinha" o sabor difere de acordo com os ingredientes utilizados. Se eu fizer um brigadeiro com Nescau, e outro com cacau em pó, os sabores serão diferentes. O brigadeiro que eu faço com cacau em pó, leite em pó e requeijão, tem um gosto que "lembra" o tradicional, mais pela questão afetiva, e menos pelo sabor. O sabor é de chocolate mesmo. Mas não é o mesmo de um brigadeiro feito com leite condensado, manteiga e Nescau. O meu "macarrão" de abobrinha jamais será igual à pasta feita com farinha, gordura e ovos. 

Mas como alguém consegue se contentar com versões mais "magras" de receitas, se o sabor é diferente? Aqui eu levanto dois pontos. O primeiro:



O paladar se adapta, 
basta dar tempo 
para que isso aconteça.



Quando comecei a dieta Dukan, eu não era muito fã das receitas, principalmente as doces. Adoçante jamais adoçará como o açúcar - anota no caderninho migs. No entanto, depois de um tempo sem consumir doces com açúcar, comecei a sentir vontade de algo doce. Então cedi a uma receita aqui, outra ali, e logo comecei a verdadeiramente gostar das coisas que comia. O paladar se adaptou. Mas claro, isso aconteceu porque eu não consumi nada com açúcar. Se eu tivesse consumido aqui e acolá algo com açúcar, meu paladar não se adaptaria tão facilmente. Mas se adaptou. Segundo ponto:



Quando se tem um 
objetivo, as adaptações 
se tornam mais fáceis.



Meu objetivo era emagrecer. Eu queria muito. Então esse "sacrifício" inicial de segurar as pontas até o paladar se adaptar fazia sentido para mim. E foi mais simples. Quando temos um objetivo, as mudanças se tornam mais fáceis. Se você quer mudar algo na sua alimentação porque está na moda, porque a tia da vizinha falou, porque sua amiga tá gostosona, mas não tem um motivo real e forte, pode ser mais difícil.

Mas o mais importante:



Toda mudança precisa 
de tempo e insistência 
para acontecer.



Não há como mudar nada de um dia para o outro. Você não troca um prato de arroz, feijão, bife e batata frita por um de salada de folhas verdes, pepino, tomate e beterraba de um dia para o outro achando tudo isso maravilhoso se não tiver o hábito de comer saladas. No entanto, quando a gente sabe que alguma mudança é necessária, ela pode sim ser feita. Mas precisamos entender que não é de uma hora para a outra. Consumir aos poucos mais salada. Ir diminuindo o sal na comida. Diminuir o açúcar. Trocar doces por frutas doces. Tudo devagar, gradualmente, e as mudanças vão acontecer. Dê tempo ao tempo, tenha paciência. Insista. 

"Ah Denny, mas eu odeio salada!" - vocês não têm ideia do quanto já recebi de mensagens me dizendo isso. E aí eu te digo: aprenda a comer salada. Faça uma sopa batida no início. Depois deixe pequenos pedaços de legumes. Acrescente folhas no almoço e jantar. As mudanças gradativas têm maior chance de dar certo. E dessa forma você vai se adaptando melhor a uma alimentação mais saudável e então vai passar a comer alimentos saudáveis sem torcer o nariz. 

Beijão!
Comentário(s)
Comentário(s)