18/07/2016

Dieta da moda - bom ou ruim?

| |


Imagem: Freepik
Antes de concluir algo, peço que leiam o texto até o final. É mais uma reflexão sobre o assunto, que uma conclusão sobre qualquer coisa. De tempos em tempos, coisas caem no gosto popular e se tornam "moda". Uso o termo moda, mesmo sabendo que ele nem é o ideal para o caso, mas é o mais usado no final das contas. O que acontece é que hoje em dia a informação corre e se perpetua muito rapidamente. Informações boas, informações ruins. E o boca a boca então funciona muito mais, pois não depende mais do encontro casual entre as pessoas. Portanto toda informação se propaga muito mais rapidamente. 

Neste ponto, dietas acabam sendo bem mais "compartilhadas" que antigamente. As pessoas conhecem uma dieta "x" (seja pela internet, revista, nutricionista) e se têm bons resultados, a divulgação acontece rapidinho. Então mais pessoas querem fazer, mais pessoas vão atrás da informação, os meios de comunicação percebem essa tendência e então o foco passa para isso. Quando acontece com uma pessoa famosa então, a coisa ferve!

Mas até que ponto essas "modas" são ruins? Eu acho ótimas! Seja de dieta, seja do assunto que for. "Modas" nos despertam a curiosidade. E mesmo que haja uma parcela de gente que faz de qualquer jeito, entende tudo errado, muitas pessoas aproveitam estes momentos para aprender. E isso não pode ser ruim!

O que precisamos ter é senso crítico. Saber que não existem verdades absolutas, e que as opiniões das pessoas não são fatos comprovados. Quando vemos algum assunto que nos desperta interesse, é preciso aprender de várias fontes, ler várias opiniões diferentes, buscar informação de qualidade e então aplicar da melhor forma em nossa vida. Conhecimento é poder!

Enquanto algumas pessoas aproveitam estes momentos para crescer, outras pessoas demonstram verdadeira aversão a isto. Me parece que algumas pessoas desgostam de algo "X" simplesmente por estar em alta. Se é "moda", automaticamente não presta. Não é bem assim. Precisamos aproveitar toda oportunidade de aprendizagem para fazer exatamente isso: aprender. É muito importante que pessoas ajudem neste momento, principalmente as que tem um conhecimento maior do assunto, com críticas construtivas, reflexões, evidências, dicas, seja o que for. Mas é preciso principalmente coerência. 

Vou usar como exemplo, a low carb. Ela pode ser considerada "moda" num primeiro momento por estar sendo bastante falada agora. Mas esse tipo de alimentação vem de nossos ancestrais, principalmente quando utilizamos uma low carb voltada para uma alimentação mais natural, sem tantos industrializados. Como é uma linha alimentar com um embasamento científico enorme, muitos profissionais da área de nutrição começaram a pesquisar, entender e trabalhar nessa linha. No princípio, como eles mesmos falam, a resistência foi intensa - principalmente por parte dos próprios colegas e conselho. Mas conforme vai se tirando a venda, e conforme os estudos e pesquisas científicas vão vindo à tona, esta linha vai sendo mais bem aceita. No entanto, ainda há muitos profissionais que simplesmente repudiam e, como se isso não bastasse, fazem uma oposição que chega a ser meio insana em alguns casos. Como já falei em posts anteriores, sempre tem a turminha "do contra". Eu vejo isso mais claramente agora, pq como meu perfil no Instagram tem crescido bastante, muitos nutricionistas têm me seguido (a maioria obviamente buscando que eu os siga de volta, claro), e eu acabo vendo isso bem claramente. Muitos aproveitam o momento para se repensar, se reformular, aprender mais, e outros querem apenas ir contra. Com a desculpa de estarem "abrindo os olhos" das pessoas, apenas confundem mais quem têm dificuldade de discernimento. 

E como se sair bem no meio dessa "guerrilha"? Pesquisando. Não aceitando apenas aquilo que queremos ouvir, mas pesquisando de verdade, em boas fontes. Todos precisamos nos alimentar da mesma maneira? É lógico que não. Somos donos de nossas escolhas, e nossa alimentação precisa refletir nossos objetivos, mesmo que o objetivo seja apenas se sentir bem. Não temos que travar batalhas para provar que A ou B é melhor, cada um precisa apenas escolher o que é melhor para si. Isso é escolha pessoal, intransferível. As escolhas são pessoais, as consequências são pessoais, ninguém tem nada a ver com isso. Por isso mesmo precisamos ter cuidado com a informação que recebemos. Filtrá-la, passá-la pela régua do bom senso, pesá-la, e decidir o que quisermos. É nossa escolha. Não do nutricionista famoso, ou da celebridade magérrima. Precisamos aprender a pensar por nós mesmos. É um aprendizado fantástico!
Comentário(s)
Comentário(s)