09/04/2017

Altos, baixos, força e fraqueza

| |

A vida sempre foi e sempre será feita de altos e baixos. Adoraria que fossem apenas altos, mas creio que ninguém tem esta "sorte". Pois bem, estava aqui pensando em meus botões... eu tenho uma enorme jornada com o emagrecimento. Vivi em sobrepeso, mas de repente (ok, não tão de repente) me vi na obesidade grau III. E foi assustador. Sempre fiz dietas, perdia algum peso, voltava à ganhar. Mas cheguei a uma situação desesperadora. Sempre dividi minha vida - a parte que eu queria, óbvio - nos blogs, com quem estivesse disposto a dividi-la comigo. E sentia que isso me estimulava a tentar dar o meu melhor. Mas quando cheguei a este ponto, sentir uma pressão tão grande que foi avassalador. Não que alguém fizesse algum tipo de pressão. Mas porque eu sempre fui muito envolvida com a internet e sabia o que se passava por lá e o tipo de cobrança pela perfeição feita. Segui por muitos caminhos até chegar à Dieta Dukan, que foi oq ue me possibilitou entender melhor meu corpo, meu organismo e o que funcionava para mim. Entre "idas e vindas" perdi muito peso. 

Efetivamente, do maior peso que vi na balança (sabendo que o verdadeiro foi muito além, pois me recusei a subir em uma balança no meu pior período) até o atual já se foram 30 e tantos quilos eliminados. Mas ainda faltam muitos. Minha perda de peso não é linear, pois sou feita de fases. Em algumas fases sou quase uma psicopata da dieta (ô loco meu!), em outras cedo constantemente às escapadas, e ainda há as fases em que a sombra da depressão me oprime e me afugento totalmente na comida. Não fossem estes altos e baixos e eu certamente seria uma pessoa esquelética já. 

Mas essa sou eu. Que perde peso, ganha um tanto, perde mais um pouco, ganha mais um pouco. O saldo ainda é positivo, felizmente. Mas é uma oscilação nervosa. Atualmente me encontro numa fase de um pouco mais de foco. Não mais como na minha época na dieta Dukan, quando eu simplesmente passei mais de meio ano na linha, sem um deslize sequer. Mas tenho conseguido administrar um pouco melhor as furadas. Não perfeitamente. Me sinto mais humana do que nunca - e isso nem sempre é no lado positivo, rs.

Há tanta coisa acontecendo ao meu redor, que me sinto feliz por pelo menos manter alguma regularidade na alimentação, mesmo sabendo estar um tanto quando distante do ideal que gostaria para mim. Consegui abandonar por um tempo a balança, estava ficando neurótica com ela. E como sei que perdi bastante peso? Pq as calças que me serviam no início do ano estão caindo e preciso urgentemente de novas. Esta tem sido a minha medida.

Queria poder dizer que sou sempre forte. Mas não sou não. Às vezes me deixo abater pela fraqueza, sinto que não vou conseguir ultrapassar alguns obstáculos. Mas em seguida me sinto plenamente capaz e sigo em frente. Não sei se todos sentem estes baixos, mas prefiro acreditar que sim. Eu sempre fui assim, e não creio que mude muito. Hoje sinto que minha alimentação me permite não chegar aos extremos que cheguei algumas vezes. E sei que é pela alimentação, pois quando consumo mais açúcar, a crise de depressão e ansiedade é violenta. Um dia falarei mais sobre isso com vocês.

Enfim, esta é a Denise de hoje. Mais madura. Mais consciente. Mais compassiva consigo mesma. Às vezes um pouco mais complacente do que deveria. Mas ais bem resolvida. E buscando superar obstáculos sempre.

Qual o obstáculo que hoje te traz inquietação? Me conta!


Beijo!
Comentário(s)
Comentário(s)