27/11/2017

Sem balança - Meu emagrecimento em 2017

| |

Demorei, mas apareci. Este final de ano está sendo realmente puxado. Eu quero vir aqui mais vezes, porém me amarro muito. E quando tenho tempo, procrastino. Bom, o post de hoje não vai ser muito diferente do que tenho falado nos últimos anos aqui, pois tem sido uma constante em minha vida: a perda de peso. Porém em 2018 as coisas aconteceram de uma forma diferente do habitual, e isso que quero compartilhar com vocês.

O ano de 2017 foi bem atípico para mim. Mudei de cidade / estado. Passei por grandes dificuldades dos mais variados tipos, mas cá estou, saindo dele muito melhor que entrei. Porém foi um ano em que o foco, definitivamente, não foi a perda de peso. Eu iniciei este ano com bem mais peso do que no ano passado, pois no finalzinho de 2016 eu desandei legal na alimentação e descontei frustrações e tristezas na comida. Não como em outras vezes, mas foi o suficiente para a balança dar um salto enorme.

Depois de me estabelecer aqui em Joinville, as coisas se acalmaram, e decidi retomar meu processo de emagrecimento, pois realmente me sinto muito desconfortável com o peso que tenho. O sobrepeso me incomoda esteticamente, me deprime na hora de comprar roupas, atrapalha minha mobilidade e tudo o mais. Dei uma boa puxada e logo no começo perdi 10kg. Fiquei muito feliz. Foi daí que saiu esta foto:

Porém, depois disso, como sempre acontece, rolou uma desanimada básica, a balança começou a oscilar muito, e isso sempre faz comigo a mesma coisa: acaba com meu psicológico. E geralmente é aí que me perco. Porém dessa vez decidi agir diferente: parei de me pesar. Simples assim. Porém, não parei de me pesar para não ver que estava engordando. Parei de me pesar para ter paz, mas decidi manter uma linha alimentar "decente". 

Eu sempre me cobrei muito. Principalmente por sempre ter blog, por ter pessoas que já me acompanham há uma década, por ter uma quantidade legal de seguidores. Era cobrada também, e essa pressão sempre me fez mal. Porém decidi que precisava me desvencilhar disso, pois eu estava há anos num ciclo: pegava firme na dieta, virava exemplo para várias pessoas, me superava, então a vida me dava uma porrada, eu caía legal, aí saía totalmente do foco, ganhava peso, ficava me escondendo das pessoas, para então ressurgir mais forte e começar tudo de novo, inclusive cair mais uma vez diante dos olhos de todos. Decidi ser apenas mais uma pessoa na internet, sem querer ser modelo para ninguém, mas compartilhando o que ia aprendendo com quem estivesse disposto a me ouvir.

Como foi um ano de muitas mudanças, fiz o que eu dizia para muitas pessoas não fazerem: peguei leve. Decidi realmente pegar leve. Decidi tentar me manter "paleo" o máximo de tempo possível, comendo comida de verdade, evitando ao máximo industrializados, para quando ficasse firme nessa linha, que não restringe tanto os carboidratos, focasse mais numa linha  mais lowcarb, para perda de peso. Acontece que eu furava diversas vezes, e acabava sempre voltando para a paleo, mas nunca me firmava nela o suficiente para restringir para a lowcarb. 

Se você não sabe muito sobre os conceitos paleo ou lowcarb de alimentação, leia este post AQUI.

Então, eu furei váááárias vezes a dieta. Porém, destas vezes foi diferente. Como sou compulsiva por natureza, eu sempre chutei o balde valendo. Comia compulsivamente quando escapava da dieta, comia muito mesmo. Desta vez eu não fiz isso. Furava, encerrava o assunto e seguia em frente já na próxima refeição. Ou no dia seguinte, rs... Decidi não ficar me punindo mais que o suficiente. Eu furava, ficava chateada, mas sempre refletia no quanto aquilo havia sido escolha minha, no quanto EU quis fazer aquilo. Evitei ao máximo pôr a culpa nas pessoas, nas circunstâncias, enfim, adquiri um pouco mais de consciência. 

O resultado foi que comecei o ano usando uma calça. Aí, como toda calça de gordo, logo ela começou a rasgar entre as pernas e comprei outra. Menor. Então essa também começou a ficar velhinha e há umas duas semanas comprei outra calça (calma gente, tenho mais de duas calças hahaha), um número menor. E hoje coloquei uma em cima da outra e vi que, mesmo aos trancos e barrancos, essa coisa de parar de me cobrar perfeição, de entender que eu não tenho que ser a menina que vai ser exemplo para todo mundo, que eu não tenho que perder 50kg em 4 meses para me dizer vitoriosa, deu certo. Eu mal percebi a perda de peso, de tão lenta que foi. Ninguém ao meu redor comenta o quanto emagreci - como aconteceu em outras vezes que perdi peso. Mas deu certo. Eu emagreci. E consegui isso:



Eu não sei quanto peso perdi. E não quero saber. Mas ver estas calças sobrepostas me mostrou que devagar às vezes é o melhor caminho. Que o progresso nem sempre pode ser visto a olho nu, mas que ele vem. E que eu estou num lugar onde eu consigo estar e me manter. Que eu levo um estilo de vida que me faz bem e que posso levar para a vida toda. Que eu posso melhorar ainda mais, eu quero mais saúde, mas que isso vai acontecer no seu devido tempo, um passo de cada vez.

Para resumir, o que eu fiz:

- Foquei em me manter basicamente comendo comida de verdade - conceito paleo de alimentação.
- Não me forcei a ficar low carb sempre, mas sempre que me senti confortável, consumi menos carboidrato nas refeições.
- Quando eu furava, furava com pouca quantidade. UM pedaço de bolo. UM sorvete. E seguia a vida como se nada tivesse acontecido. 
- Obviamente não furava todos os dias, mas dificilmente passei uma semana sem furar. No entanto, eu abria a janela e fechava. Sem essa de "já que fiz merda, vou comer tudo o que quero de uma vez só". Não. Uma refeição. Sem exageros.
- Aliei probioticos à minha alimentação - kefir de água, de leite e agora kombucha.
- Parei de me pesar totalmente. As oscilações realmente estavam me fazendo mal.
- Evitei culpar outras pessoas ou acontecimentos pelos meus problemas. Busquei o equilíbrio. 

O que quero agora é ir afinando tudo ainda mais. Ir melhorando a alimentação ainda mais. Confesso que sinto falta da vitalidade extrema e das maravilhosas noites de sono reparador da época em que realmente me dediquei totalmente a uma alimentação paleo / lowcarb. Realmente me fez bem. Agora eu ainda durmo relativamente bem, mas já acordo mais cansada, não tenho toda a energia que tinha - e que era fantástico.

Não vou adotar o discurso de que comer besteiras é essencial para "viver" bem, pois sei que não é. O que eu quero é continuar tirando o foco da comida. Viver PRECISA ser mais que comer. E é isso que sinto que tem melhorado em mim, essa consciência de que dá pra ser feliz sem pôr comida no meio de tudo.

Ainda é um caminho longo a percorrer, não está nem perto do final, mas tem sido um aprendizado constante. Vida real. 

Beijão!
Comentário(s)
Comentário(s)