21/08/2012

Fotos, notícias e alguma coisa mais...

| |
Oooooi turma! Olha eu, ainda meio rara por aqui, mas uma hora eu entro no ritmo novamente. Então, como vai a semana de vocês? Por aqui aquela correria, mas consegui passar um final de semana mais calmo e organizado. Até faxinei meu quarto! Olha que coisa!

Deixa eu contar pra vocês como foram as exibições do documentário do excelentíssimo. Em todas as manhãs (terça e sexta) tivemos o cinema lotado. Tem mais de 400 lugares. A maior tela do Rio Grande do Sul. Na primeira exibição o som ficou meio abafado, o local é grande e alguns depoimentos ficaram meio baixos. Ao meio-dia marido mexeu no áudio e melhorou bastante. Mas um dos depoimentos ficou meio "enrolado" ainda. Na televisão, com uso do DVD, o áudio fica supimpa, mas nesta sala do cinema abafou um pouco. Havíamos testado na sala 2, com menos lugares, então decidiram exibir na sala 01, pois havia muita gente inscrita. Aí decidimos legendar. E lá fui eu, uma noite todinha ouvindo o áudio e digitando as legendas, depois ele aplicou ao documentário e ficou ótimo! Perceberam que ele fez o documentário praticamente sozinho, né? Ele filmou, entrevistou, editou os vídeos, o áudio, eu ajudei só no "apoio moral" e nas legendas. Não é porque é meu marido, mas né, o homem sabe fazer um milhão de coisas (que não me leia pra não ficar metido, rs), e tudo bem feito. Continuando, na sexta pela manhã, ao chegar no cinema, havia uma fila enorme esperando a abertura das portas. Na terça e quinta à tarde foi menos gente, mas foi bacana igual.

O que me irrita (porque eu fico brava mesmo, não triste) é ver o quanto a mídia desvaloriza esse tipo de ação. O primeiro trabalho desse gênero na região, suado, mais de um ano de pesquisa, muitas descobertas. Pergunta se alguma rádio apareceu? Pergunta se a RBStv deu as caras? Tivemos a Semana Cultural do Município, organizada pela Prefeitura Municipal, com muitas exposições, apresentações e afins, e simplesmente não tivemos cobertura na mídia. Agora, pra fazer reportagem de cabrito mamando numa cadela, isso fazem. Eu fico irritada mesmo, porque quem trabalha com cultura é desvalorizado, a cultura não é apoiada, a população muitas vezes nem fica sabendo. Enfim, já passou. Mas fica aqui meu protesto. 

Pessoal chegando para a sessão de estreia. 
Documentário começando.
Um dos depoimentos.
Ah gente, eu sei que poderia pegar as imagens mesmo, mas vão essas do celular, tiradas da primeira fileira, muito mais emoção, kkkkkk...

Por aqui os ipês andam cada dia mais lindos e floridos. Quero ver se fotografo, com a câmera mesmo, pra vocês verem. Meu nariz deveria estar reclamando de tanto pólen, mas miraculosamente ele está comportados, então, comemoremos o acontecido, e que permaneça assim.

Ipê roxo.

Ipê amarelo.
Vocês sabiam que o ipê amarelo é a árvore-símbolo do Brasil? Pois então, é. Ela costuma florescer em setembro, na época da semana da pátria. Mas com esse tempo maluco, faz bem uns 2 anos ou mais que as floradas se anteciparam. Essas flores duram poucas semanas, logo caem todas. Mas são lindas demais, e tem pela cidade toda!

As aulas de inglês vão indo bem. A professora é bem bacana, e quero enfim desempacar. Tenho muito vocabulário e tal, sou até boa nas pronúncias, mas ainda me atrapalho na gramática. Agora vamos progredir né. Vamos sim. 

No mais, só a correria, à qual já estou me acostumando. E tudo vai correndo muito bem, melhor do que eu previa. Por mais que eu tenha meus momentos de tristeza e desânimo, as coisas estão andando bem demais desde o começo do ano. Não posso reclamar. Os revezes da vida me fizeram mais forte e um pouco mais dura. Mas a gente precisa tomar umas pancadas pra criar casco né? Então tá tudo bem.

Eu sei que tinha algo para falar/escrever mas juro que esqueci. Minha cabeça ainda anda avoadinha, perdoem, rs.

Um beijo enorme pra vocês e bom início de semana!
Comentário(s)
Comentário(s)