01/02/2016

Porto Alegre - Viagem Cultural

| |

Ufa, quanto tempo hein? Na semana passada estive em Porto Alegre, com meu marido. Não ficamos muito tempo, foram apenas 3 dias, e acabei fazendo poucas fotos - sabe quando você está doidona querendo curtir que até esquece? Então. Até tentei gravar uns snaps mas a internet estava uma boxxxta (valeu TIM!). Mas ainda assim decidi fazer um post com algumas dicas para quem quer um passeio mais cultural pela capital. Vou dar dicas de lugares nos quais fomos mesmo. Na próxima vez que eu for, terei o cuidado de fotografar mais. Temos também alguns novos passeios que queremos fazer, compartilharei tudo!


A viagem

Imagem DAQUI.

Tudo começa na hora de decidir como você vai até lá. Nós fomos de ônibus. Aqui não temos um aeroporto decente e muito menos passagens viáveis para a capital por via aérea - há a promessa de modernizar a coisa, mas pelo jeito vai demorar. Eu sinceramente não tenho absolutamente  nada contra ônibus, andei minha vida toda. Se você tiver carro, se joga! Só não manjo nada de trajetos dessa forma para te dar dicas, rs... Aqui temos 3 opções básicas de ônibus, todas pela empresa Ouro e Prata:
  • Semi-direto - faz algumas paradas em cidades principais, e por isso a viagem demora de 1 a 2 horas a mais que as demais opções. No entanto, a passagem faz valer a pena, é mais barata (aqui, em janeiro/2016 custou pouco mais de R$130,00 - saindo de Santo Ângelo). Os ônibus têm ar-condicionado, wi-fi, duas fileiras de poltronas (4 poltronas por linha), tudo bonitinho. Só param mais que os demais.
  • Executivo / Direto - A vantagem dele é não fazer paradas. Vai direto de sua cidade até a capital sem parar em cidade alguma. Portanto o preço sobe um pouco. Geralmente aqui nesta região do Rio Grande do Sul eles param apenas em Soledade, no conhecido "Italians", que tem comida pra caramba, souvenirs, enfim, tem coisa demais nesse super restaurante / lancheria / padaria / shopping , rs... Os preços são de doer, mas enfim, rs... No mais, é bem semelhante ao semi-direto: tem wi-fi, ar condicionado, duas fileiras de poltronas (4 poltronas por linha), etc... A passagem de Santo Ângelo, em janeiro de 2016 saiu em torno de R$150,00. 
  • Leito - Bom, este é o ônibus delicinha. Poltronas mais amplas. Em um lado do ônibus, 2 poltronas lado a lado, do outro lado do corredor, uma poltrona sozinha para quem não quer companhia na viagem - e reservar a tempo!. Ar condicionado, geladeirinha com água mineral à disposição, lanchinho com fone de ouvido na entrada (vamos combinar que o lanchinho nem é aquilo tudo - barra de cereal e algum biscoito - e geralmente os fones de ouvido são inúteis uma vez que a maioria das entradas para eles não funciona), televisão, travesseirinho, etc. Comodidade. Também vai direto para a capital, com parada apenas em Soledade. O preço já é mais salgado: saindo aqui de Santo Ângelo sai por um pouco mais de R$ 180,00. 
Nós optamos pelo direto.

Hotel

Imagem DAQUI.

A questão do hotel é bem pessoal. Varia de quanto você pode gastar principalmente. Eu sugiro dar uma olhada no Airbnb, ou no Booking que são os sites que mais conheço. o diferencial deles é ter uma imensa quantidade de locais cadastrados e o melhor é ter acesso aos comentários das pessoas que utilizaram estes lugares, o que faz com que você tenha uma ideia mais real acerca do atendimento e condições do lugar. 

Se você tem pouca grana para gastar - ou quer poupar na estadia para gastar mais em outras coisas - eu sugiro dar uma olhada nos hostels. São uma espécie de "albergue", mas a maioria é super bacana, limpo, seguro e com preços ótimos. A diferença são os quartos coletivos e acomodações um pouco mais simples. Pelos comentários nos sites acima dá para se ter uma ideia melhor de como são. O lugar também é importante: o legal é conseguir algo mais perto do centro da cidade, ou com acesso fácil a táxi e afins. 

Nós ficamos no alojamento do CPERS (sindicato dos professores do qual sou sócia). As acomodações são ótimas: tem ar condicionado, banheiro limpo e chuveiro excelente. São quartos coletivos. Algumas vezes meu marido e eu conseguimos ficar juntos no mesmo quarto, mas desta vez havia bastante pessoas hospedadas e não rolou. A pior parte mesmo é conseguir uma vaga, digamos que o sistema de prioridade deles não é muito transparente. Mesmo sendo sócia, pagando mensalmente, é um parto conseguir vaga, inclusive mudamos a data da viagem por conta disso. Mas vale a pena por conta da diária barata. Não tem café da manhã incluso nem nada, mas vale a pena ainda, pois é confortável para ficar e eu pago essa bagaça todo mês né? Rs...

Você também pode ficar em casa de parentes ou conhecidos, sempre. Eu tenho parentes na cidade, mas optamos por não ficar na casa de ninguém pois montamos uma agenda bem cheia, e realmente não tínhamos pressa alguma para passar pelos lugares, queríamos fazer tudo em nosso tempo, sem pressão alguma. E também pretendíamos fazer muitos percursos à pé e, bem, nem todos acompanham o pique, rs...

Translado

Imagem DAQUI.

Uma dica legal para ANTES de viajar é checar o endereço de onde você vai ficar e algumas referências. Alguns taxistas, ao perceber que se trata de alguém que não conhece bem a cidade, costumam dar voltas e voltas até chegar no lugar, o que rende uma boa cota para o taxímetro, e um desfalque para o seu bolso. É legal mostrar (ainda que de faz de conta, rs) que você conhece bem a cidade e não vai ser fácil te fazer de bobo. Por exemplo, ao invés de dizer o endereço (Rua Alberto Bins, nº 45), dê uma referência junto, tipo: "Hotel do CPERS, na Alberto Bins, ao lado do Plaza São Rafael". Numa das primeiras vezes que fui lá peguei alguns que me enrolaram bonito, agora não caio mais, rs). Alguns taxistas também costumam fazer cara feia quando percebem que você quer ir num lugar perto, que não vai render muito $$ para eles. Mas não chegam a comentar nada nem tratar mal. 

Você tem a opção de fazer os trajetos à pé, se ficar pelo centro e dependendo de onde você quiser ir, de ônibus ou metrô também. Como o lugar onde ficamos é central, fizemos muita coisa à pé e deixamos o táxi apenas para os retornos à noite e para lugares onde não tínhamos certeza da localização. Também há a opção de ir de catamarã (uma espécie de barco que leva passageiros), cuja passagem é muito barata e a vista é fantástica - falarei sobre ele mais à frente.

Catamarã - CatSul


Imagem: CatSul
O catamarã que faz o trajeto Centro de Porto Alegre - Guaíba foi uma descoberta recente, digamos. Meu marido que encontrou esta opção pela internet. Ele é bacana para quem está no centro por exemplo, e quer ir em direção ao Barra Shopping Sul, ou à Guaíba. No dia em que iríamos ao Museu Iberê Camargo - que fica bem perto do Barra Shopping - resolvemos pegar o catamarã. Acontece que olhamos muito por cima os horários e acabamos perdendo a primeira barca e a segunda ainda demoraria muito. Então enrolamos pelo centro mesmo e decidimos pegar um táxi até o museu. O táxi saiu por R$ 30,00. O museu fica a cerca de 500m do Barra Shopping Sul, para onde fomos depois do passeio. Para pegar o catamarã basta atravessar a rua (se você está no shopping) e pronto. O valor da passagem? R$ 5,00. A vista é lindíssima. Vista do píer do Barra Shopping:



No dia seguinte fizemos novamente o trajeto. A sede da Catsul fica em frente ao Mercado Público em Porto Alegre, quase junto à entrada do metrô. Basta seguir a placa laranja onde diz "estação hidroviária", descer por um tunelzinho, e depois seguir até o último escritório, que é onde você compra a passagem e tem acesso ao píer. Vista do píer centro de Porto Alegre (da próxima vez prometo fotos melhores, rs).


Este é o barco Cisne Branco que faz o passeio turístico pelo Guaíba  e que, infelizmente, naufragou em uma tempestade no dia seguinte a esta foto. Creio que em breve o consertem e os passeios voltem, pois queremos fazer este passeio na próxima visita à cidade! 

As fotos do lado de dentro do catamarã não ficam bacanas por conta do reflexo da janela. Mas você pode ver toda a orla do centro de Porto Alegre, é lindo! Para saber os horários, basta ir no site da CatSul

Importante! No começo eu estava com um pouco de medo, por dois motivos: primeiro por nunca ter andado de barco ou algo semelhante. Segundo por ter problema de enjoar facilmente até em ônibus, imagina em um barco! Mas o medo se mostrou infundado: o catamarã chacoalha mil vezes menos que um ônibus para você ter ideia, rs... 


Segurança



Eu particularmente, acho a cidade tranquila. Nunca sofri nenhuma tentativa de assalto ou algo parecido. Mas não dou bobeira. É legal andar com uma dessas bolsas a tiracolo, que dificultam possíveis roubos, uma vez que não podem simplesmente ser arrancadas de você. Guardar carteira e celulares nos bolsos internos, de difícil acesso. Também andar firmemente, sem ficar olhando para todos os lados dando bandeira que você é turista, rs. Não pego o celular na rua, se precisar entro em algum estabelecimento grandinho e vou para longe da porta mexer no aparelho. Pontos de ônibus também costumam ser lugares mais complicados, por você acabar ficando ali parado, alguns trombadinhas se aproveitam disso. Se for preciso pedir alguma informação, entre em alguma loja de rede mais conhecida e pergunte a algum atendente. Coisas simples, mas que até hoje me evitaram surpresas desagradáveis. 

Passeios

Uma dica bacana é pesquisar a rota que você fará para ir do ponto X ao ponto Y antes do passeio. Uma ferramente muito bacana é o Google Maps. É bom para  ver a distância, se rola ir à pé ou se é melhor pegar um meio de locomoção melhor, rs. Se você for de carro ele te mostra as rotas. Você pode fazer isso no seu celular, tablet, notebook e salvar a rota. Pode tirar um screenshot da tela e guardar para consultas futuras, ou mesmo imprimir. Um exemplo é o trajeto abaixo:

Clique com o botão direito e em "abrir imagem em uma nova guia" para aumentar.
Santander Cultural

Imagem DAQUI.
O Santander Cultural localiza-se no entrono da Praça da Alfândega, no Centro Histórico de Porto Alegre. É uma visita deliciosa, pois sempre tem boas exposições. Passamos muito tempo lá, pois fazemos parte do grupos que gosta de curtir com calma e admirar as obras de arte. É permitido filmar e fotografar, mas sem flash, e você não pode entrar com garrafinhas contendo líquidos. Precisei deixar a minha com a moça na entrada. No mais, tudo tranquilo. Além das exposições de artistas, há uma exposição sobre a história do Santander e da moeda brasileira no andar inferior, vale a pena a olhada. Me parece ser fixa, mas não tenho certeza.

Horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 10:00 às 19:00 / domingos e feriados das 13:00 às 19:00.
Entrada: grátis.

MARGS

Imagem DAQUI.

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul fica muito perto do Santander Cultural - quase ao lado. Sempre tem excelentes exposições, de vários artistas, em seus diversos andares e salas. Também levamos um bom tempo nele, uma vez que não dá para não ficar olhando a fundo cada tela ali exposta. Fotografia e filmagem (sem flash) permitidas, água não permitida.

Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10:00 às 19:00.
Entrada: grátis.

Museu Júlio de Castilhos

Imagem DAQUI.

Agora seguindo em outra direção - mas não tão longe, dá para fazer o trajeto do MARGS e Santander Cultural até o Júlio de Castilhos à pé - temos o museu Julio de Castilhos. Ele fica no entorno do Centro Histórico de Porto Alegre, na mesma rua da Catedral Metropolitana e pertinho do Palácio Piratini e Biblioteca Pública. Fique de frente para a Catedral e siga à esquerda dela. Na esquina há um café, e logo depois você verá o museu. Ele tem o segundo maior acervo de obras missioneiras (relativas aos Sete Povos das Missões) e também é possível ver bastante coisa sobre a Revolução Farroupilha. Infelizmente ele não está muito bem conservado, e não há uma recepção decente à entrada. Mas ainda sim vale a visita. Sempre vale. Há um blog que traz maiores informações sobre ele, horários de visitação, como organizar uma visita guiada e tudo o mais, acesse AQUI. Fotos permitidas, sem flash, nenhuma observação a respeito de água, mas é bom evitar, rs.

Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10:00 às 18:00.
Entrada: grátis.

Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul

Imagem DAQUI.
A Biblioteca Pública fica pertinho da Catedral Metropolitana também, em diagonal à ela mais exatamente. A arquitetura é fantástica! Muito da arquitetura original interna está à mostra, as decorações das paredes e tudo o mais é de tirar o fôlego! Demos uma passada rápida, mas na próxima vez pretendemos nos demorar mais. Pode ser fotografada.

Horário de funcionamento: segunda-feira das 14:00 às 19:00 / terça a sexta-feiras das 9:00 às 19:00 / sábado das 14:00 às 18:00.
Entrada: grátis.

Casa de Cultura Mario Quintana

Imagem DAQUI.

A Casa de Cultura Mario Quintana era meu sonho de visita. Sou simplesmente APAIXONADA pelo Mario Quintana! A obra dele é muito especial para mim. Ela fica no Centro Histórico também, na Rua dos Andradas, chamada Rua da Praia. Foi fundada no antigo Hotel Majestic, onde Mario Quintana esteve hospedado de 1968 a 1980.Confesso que entrei cheia de animação e saí bem desapontada. Ela está passando por um período de reformas e mudança da biblioteca, então não há quase nada em exposição, exceto pelo MAC (Museu de Arte Contemporânea) que fica se não me engano, no 6º andar. Voltarei mais adiante. Mas percebi que há muitos espaços, como oficinas de arte, canto, um jardim lindo e também há um café com uma vista maravilhosa do Guaíba, mas que abre em torno das 11h e queríamos pegar o Catamarã para ir ao Barra Shopping comprar alguns livros antes de ir embora, então acabamos não indo. Mas pelo visto o lugar ferve cultura! Quero ir novamente.

Fotos são permitidas, não há orientação com relação a líquidos.

Horário de funcionamento: não encontrei esta informação.
Entrada: grátis.

Fundação Iberê Camargo

Imagem DAQUI.
Esse é fantástico. FAN-TÁS-TI-CO. Bom, primeiramente deixe-me te ensinar a maneira mais bacana de chegar até lá: de catamarã. Se você estiver no centro de Porto Alegre é a melhor opção, mais barata e belíssima. Pegue a "linha" Centro - Barra Shopping. Ao descer no píer do Barra Shopping, siga à esquerda pela orla do Guaíba com uma vista lindíssima, como as das fotos abaixo que humildemente tirei (já prometi melhores! rs):



Seguindo pela orla, em cerca de 500m você dará de cara com a Fundação. O único ponto negativo é que o acesso à pé é complicado porque para atravessar da orla para o prédio não há nenhuma faixa de segurança próxima, e é uma rua de alta velocidade de 4 vias. Demoramos um pouco até sentir que havia um espaço seguro para a travessia, mas tudo certo. Só é preciso paciência. E bem poderia ter uma faixa ali. Se você for de carro (ou táxi) há estacionamento - gratuito pela primeira hora - ou você pode estacionar em frente, na orla, onde há um pequeno espaço para carros.

Tudo ali é muito bom. Primeiramente pela recepção: o "porteiro" que abre a porta antes de você pensar em tocar na fechadura, sorridente e cortês, entregando nossos ingressos gratuitos. A moça da recepção propriamente dita, de uma gentileza ímpar, que nos entregou os folderes das exposições do momento, nos informou que, caso desejássemos, poderíamos deixar nossas bolsas na chapelaria, e nos orientou quanto à melhor maneira de aproveitar as exposições do momento, indicando o elevador principal e as melhores maneiras de locomover-se entre os andares (há a opção de elevadores, mas seguir pelos corredores é MUITO melhor).  Também explicou sobre a permissão de fotografia sem flash e outros detalhes. A moça da chapelaria, igualmente simpática, os seguranças fazendo seu papel sem em momento algum dificultar ou atrapalhar nossa experiência. No andar superior haviam alguns vídeos, todos muito bons, instigantes, tecnologias diferentes, maneiras diferentes de se ver. Há também o acervo do Iberê Camargo (que, conforme a recepcionista nos informou, não tem sempre as mesmas obras em exposição), e uma lojinha no primeiro andar para quem queira levar alguma lembrança dali, com vendedoras igualmente simpáticas. Tudo em perfeito estado, muito bem cuidado, climatizado, perfeito para uma experiência deliciosa. À frente da Fundação há um café, com a bela vista da orla do Guaíba, onde acabamos decidindo por não parar pois o sol estava quente e sinceramente, a graça está nas mesinhas ao ar livre (mas a parte interna tem ar condicionado).

Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 12:00 às 19:00.
Entrada: grátis.


Alimentação

Comemos basicamente em shoppings, mas há bons restaurantes por todo o centro com preços bastante acessíveis e mais caros se desejar. Acabávamos dando preferência a eles pela variedade de possibilidades, pelo conforto e CLIMATIZAÇÃO, hahahaha... Há opções para todos os gostos: junk food, saladas, grelhados, comida japa e assim vai.

Restaurante Vegetariano Casa Oriental


Mas há um lugar em Porto Alegre que JAMAIS deixo de ir, e é o que considero o melhor restaurante onde já estive: o Restaurante Vegetariano Casa Oriental. Ele tem um buffet delicioso de pratos chineses, japoneses e tailandeses, além das mais variadas saladas. Não dá pra pensar muito em dieta se quiser aproveitar bem, mas como eu disse, há uma boa variedade de saladas. O tempero agridoce de alguns pratos me fascina! E o bacana é que, por ser vegetariano, você curte sem medo de carnes "exóticas" hahahaha! O ambiente, apesar de pequeno, é muito acolhedor, a música ambiente é relaxante e o atendimento é muito bom. É suuuper simples, e por isso mesmo delicioso! Dá para comprar alguns artigos orientais na saída, como hashis, chá verde e afins. É parada obrigatória para nós. O preço é super acessível: R$ 16,00 o buffet livre (em janeiro de 2016). Pelo que sei, só abre ao meio dia. Ele fica na Rua Felipe Camarão, nº 61. Para facilitar sua vida com táxi, peça para ele te deixar na esquina da Independência com a Felipe Camarão. Então desça a Felipe Camarão, olhando sempre à direita e logo você vai encontrá-lo. Mas olhe atentamente, ele é bem pequeninho, se bobear, perdeu, rs. Se você for à pé, basta subir a Independência em direção ao Colégio Bom Conselho, pelo lado direito, até encontrar a rua Felipe Camarão, um pouco antes da rua de acesso ao colégio.

Uma das poucas fotos (descabelada!) que tirei por lá de nós, rs...

Bom, basicamente este foi nosso passeio. Queremos refazer o trajeto todo da próxima vez, uma vez que as exposições sempre se renovam. Também temos mais alguns passeios que queremos fazer, como o Museu da PUC, um passeio com o barco Cisne Branco (que naufragou com o último temporal, mas que há a promessa de pô-lo na ativa assim que possível) e outros. Se você tiver alguma dica, deixa nos comentários, vou gostar demais!


Beijocão!
Comentário(s)
Comentário(s)